Algo que sempre me inquieta é a disputa entre os assuntos importantes e os urgentes. Todos nós vivemos esta guerra interior: atender o urgente que nos pressiona, ou cuidar daquilo que é mais importante? Se não atendemos ao urgente, nos sentimos negligentes, mas se descuidarmos do importante, ele também se tornará urgente e ainda arriscamos perder boas oportunidades ou termos problemas mais sérios. É assim com nossa saúde, com os negócios e até os relacionamentos.

A saída é avaliarmos cada situação de uma maneira mais técnica e escolhermos quais delas realmente merecem nossa atenção imediata e quais são apenas distrações, que devem ficar de lado.

Uma vez atendidas as situações urgente e importantes, que não podem ser relegadas, devemos investir o principal do nosso tempo e recursos nas questões importantes que estão a espera. São elas que irão alavancar a nossa vida e nos levar adiante. Atendidas de maneira pontual, gerarão qualidade de vida e paz de espírito, porque nos tirarão do que especialistas chamam de “síndrome da urgência”, a pressão de estar constantemente resolvendo problemas.

Faça esta avaliação. Liste tudo aquilo que você precisa fazer, e separe o que é importante e urgente, o que é importante, e o que é apenas urgente. Você vai perceber que nem tudo merece a sua atenção imediata. Mas, àquilo que você escolher resolver primeiro, dedique toda a sua energia e concentração. Em pouco tempo você estará usufruindo de uma agenda muito mais equilibrada e terá tempo para focar no que realmente é importante.