Os americanos usam uma expressão muito interessante para definir comida de baixa qualidade – Junk Food. Esse termo define tudo aquilo que enche, mas não acrescenta nada em termos de qualidade ou nutrição.

As pessoas mais conscientes com seu bem estar e saúde, evitam consumir Junk Food com frequência, e todos nós deveríamos imitá-las.

Mas isso me faz pensar em algo. Da mesma maneira que nos preocupamos com a qualidade do alimento que consumimos, deveríamos nos preocupar com a qualidade daquilo que alimenta a nossa mente. Mas como assim, alimentar a mente?

A nossa mente é alimentada por tudo que lançamos nela. O que vemos, ouvimos e as interações que temos. O que você lê, assiste, ouve, conversa. Tudo isso é alimento para sua mente.

E a pergunta é: com que qualidade você a tem alimentado?

Qual o tipo de conteúdo com que você se ocupa ou se distrai? Ele é de boa qualidade ou é  junk food?

Da mesma maneira que nos ocupamos, e até investimos, em alimentar bem nosso físico, deveríamos investir em alimentar bem nossas mentes, escolher melhor o que lemos, ouvimos, assistimos e, até mesmo, as conversas e interações que temos.

Escolha atividades que acrescentam algo ao seu conhecimento, emoções, relacionamentos, e diminua ou, até, abandone o Junk Food, tudo aquilo que você percebe que não passa de distração de baixa qualidade.

Assim, você terá uma mente mais saudável e com muito mais conteúdo para os momentos em que você precisar.

Comente o assunto, sua contribuição é muito importante.

Adquira meu livro Superação através do site http://www.elytorresin.com.br/superacao/

 

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=T6-kCEjupt8&w=560&h=315]