Acabei de retornar de uma viagem ao Peru, onde visitei uma praia muito sui-generis.

Ao invés de areia, como as praias do Brasil, o chão desta praia era coberto por pedras.

Num primeiro momento parece assustador, mas não é. De fato, é muito bonito. As pedras eram todas arredondadas, como se fossem polidas.

Um morador local me explicou que são trazidas pela maré de um rio logo mais acima, e acabam se acumulando naquela baia.

O movimento das ondas faz com que colidam umas com as outras, aparando suas arestas e as deixando limpas e polidas. Interessante também é o barulho destas ondas, que por colidirem com as pedras, é muito mais grave  e profundo.

Creio que a nossa existência também é assim. Nós somos como aquelas pedras, que ao sofrermos os impactos das ondas da vida somos lançados ao encontro de outras pessoas, e deste encontro, surgem os relacionamentos que têm o potencial de nos limpar e polir.

Se crermos nisso, entenderemos que tudo na vida – seja bom ou ruim – é um aprendizado que nos permite crescer, e que lá na frente nos encontraremos numa situação em que este momento que vivemos hoje, nos será valioso pela experiência que nos proporcionou. Pela maneira que nos poliu.

Então, ao invés de se lamentar pelas ondas que te golpeiam, ou pelas pessoas com quem tem atrito, entenda o hoje como um aprendizado, um polimento para um futuro muito melhor.

Adquira meu livro Superação através do site http://www.elytorresin.com.br/superacao/